Nos últimos tempos, aumentou consideravelmente a quantidade de pessoas que adotaram animais de estimação, incluindo o cachorro.

Segundo dados de uma pesquisa feita em 2021 pela plataforma DogHero e divulgada pelo portal Estadão, 54% dos mais de 2.600 entrevistados afirmou que adotaram pets durante a pandemia – e destes, 19% fizeram esse gesto de amor pela primeira vez. 

Por conta disso, muita gente acaba se preocupando com os primeiros cuidados com os animais, deixando para depois uma informação importante: afinal, como cuidar de um cachorro idoso?

Neste conteúdo, vamos dar as principais informações que você precisa saber para ficar preparado para este momento!

Com qual idade o cachorro passa a ser considerado idoso? 

Bom, antes de tudo, é importante dizer que a expectativa de vida de um cachorro varia muito conforme a raça, o porte e os cuidados que ele teve ao longo de seus dias. 

De um modo geral, cães menores costumam viver em média 11 anos de idade, enquanto os de porte maior vivem cerca de 8 anos. Mas, mais uma vez: isso pode variar muito e o seu cachorro pode viver bem mais que a expectativa de vida – alguns até ultrapassam os 15 anos de idade. 

Com base nessa expectativa de vida, o cachorro passa a ser considerado idoso a partir dos 7 anos de idade, onde ele começa a apresentar os primeiros sinais de envelhecimento. 

Aliás, saiba que a proporção de idade entre o cachorro e o ser humano é de 1 para 7: cada ano do animal é o equivalente a 7 anos dos humanos. Isso significa, por exemplo, que se o seu cachorro tem 7 anos de idade, ele teria 49 anos se fosse um humano (7 x 7 = 49). 

Saiba mais: Adotar cachorro e gato: coisas que você precisa saber antes da adoção!

Aprenda a detectar os sinais de envelhecimento do cachorro

Antes de falarmos sobre os cuidados com o cachorro idoso, é muito importante aprender a detectar os sinais de que ele está envelhecendo.

Os principais são:

  • Cansaço;
  • Dificuldade de locomoção (artrose e osteoporose podem surgir);
  • Problemas urinários (ele passa a fazer xixi fora do lugar que você o ensinou);
  • Pela alterada com pelos esbranquiçados e calos nas patinhas;
  • Presença de tártaro nos dentes;
  • Perda gradativa da visão e audição;
  • Olfato alterado;
  • Aumento ou perda de peso;
  • Aparecimento de tumores (são comuns em cachorros de idade mais avançada). 

Uma dica importante: ao aparecer os primeiros sinais, leve o seu cachorro ao veterinário para uma avaliação geral. O profissional também saberá te orientar quanto a cuidados gerais e mais específicos, de acordo com a raça do seu cãozinho. 

Como cuidar de um cachorro idoso: 4 principais cuidados

A seguir, separamos algumas dicas de cuidados gerais para o seu cachorro idoso. Lembrando que é importante levá-lo ao veterinário para dicas mais específicas, certo?

1. Troque a ração do seu cachorro idoso

A alimentação de um cachorro idoso precisa mudar. Nessa etapa da vida, ele precisa de mais ingredientes cheios de nutrientes e minerais, como ômegas 3 e 6, cálcio e colágeno.

Além disso, na hora de escolher a ração, também leve em conta as necessidades específicas do seu cachorro – como alergias, cardiopatias, problemas na coluna, nos rins, etc. Também poderá ser necessária a suplementação vitamínica além da ração. 

2. Atenção para a intensidade das atividades físicas do cachorro idoso

É importante manter a rotina de atividade física do cachorro idoso – muitas vezes, a obesidade pode surgir nesta fase da vida.

Porém, dependendo da condição física e de saúde do seu cãozinho, opte por uma caminhada mais curta e também mais lenta. As brincadeiras com a bolinha também podem ser feitas, sempre respeitando a orientação do veterinário. 

3. Reforçe a higiene diária do cachorro idoso

Nos cães idosos, o aparecimento e o acúmulo de tártaro é maior e, em alguns casos, pode até provocar a queda dos dentes. Por isso, reforce a higienização da boca do seu bichinho.

Além disso, mantenha os olhos do cãozinho sempre limpos, evitando o acúmulo de remela, que podem provocar irritações alérgicas. 

As orelhas também devem ser limpas pelo menos uma vez na semana, evitando doenças como a otite (inflamação). Não utilize cotonetes, mas algodão ou gaze com produtos indicados pelo veterinário.

Os banhos também devem continuar, bem como a escovação dos pelos de forma delicada. 

4. Faça pequenas adaptações na casa para o seu cachorro idoso

Invista em pequenos objetos e utensílios para melhorar a qualidade de vida dele, tais como:

  • tapete antiderrapante se o piso for muito escorregadio (ou meias antiderrapante);
  • evitar mudar os móveis de lugar caso o seu cão já esteja acostumado com a localização deles para que não ocorra acidentes;
  • incluir cobertores e caminhas em diferentes cômodos da casa;
  • trocar os brinquedos por outros específicos para idosos;
  • investir em roupas térmicas para dias frios;
  • comprar fraldas para o cachorro, caso seja necessário. 

E a dica final, mas não menos importante é: ame muito o seu cachorro idoso! Ele precisa de todo o amor e carinho que você pode oferecer, além da sua companhia. Certamente isso fará com que ele se sinta mais seguro nessa fase final de vida.

No próximo post, confira como identificar a quantidade correta de ração para o seu cachorro.